NW041 – Conjunto de Documentos de um Obergefreiten do Regimento de Infantaria Blindada 14

“Urkunden eines Obergefreiten im Panzergrenadier Regiment 14”

Fora de estoque

Descrição

 

 

Conjunto de documentos de condecorações de Heinrich Murra. Documento de Condecoração do Badge de Assalto de Infantaria Motorizada em Bronze (embora não diga se é o badge em prata ou bronze, admite-se ser em Bronze, dado a unidade do condecorado ser de infantaria blindada de proteção a Panzers) datado de 24/novembro de 194, quando o condecorado possuía a patende de Obergefreiten e fazia parte da 10. Companhia do 14. Regimento de Infantaria de Proteção a Panzers (Schützen Regiment 14). Documento assinado pelo Oberst comandante do Regimento em nome do General der Artillerie comandante da Divisão. Documento de Condecoração do Badge de Ferido 1939 em Preto datado de 10/janeiro de 1942, mas fazendo menção a ferimento sofrido em 11/outubro de 1941, quando o condecorado possuía a patende de Obergefreiten e fazia parte da 8. Companhia do 14. Regimento de Infantaria de Proteção a Panzers, assinado por um Major comandante do Batalhão. Documento de Condecoração da Cruz de Ferro 939 de 2ª Classe datado de 21/maio de 1942, quando o condecorado possuía a patende de Obergefreiten e fazia parte do 14. Regimento de Infantaria de Proteção a Panzers, assinado pelo Oberst do Comando da Divisão. Documento de Condecoração da Cruz de Ferro 1939 de 1ª Classe datado de 21/julho de 1942, quando o condecorado possuía a patende de Obergefreiten e fazia parte do Panzergrenadier Regiment 14. Este documento foi assinado pelo General der Panzertruppen Gustav Fehn, comandante da 5ª Divisão Panzer (documentos assinados por Generais são muito escassos). Documento do Badge de Ferido 1939 em Prata, retificação. Este documento retifica o documento de condecoração do Badge de Ferido em Preto para a versão em Prata, dado que o condecorado sofreu 3 ferimentos no incidente de 11/outubro de 1941, dando então direito a esta condecoração. Esta carta foi assinada em 5/novembro de 1942 pelo Oberstartz (Coronel Médico) da unidade, pois provavelmente Murra teve sequelas de seus ferimentos. Documento de Condecoração do Clasp de Combate Corpo a Corpo em Bronze devido a 15 engajamentos em combates próximos, datado de 8/novembro de 1943, quando o condecorado possuía a patende de Obergefreiten e fazia parte da 8. Companhia do Regimento Panzergrenadier 14, assinado pelo Major Lider do Regimento. Conjunto de documentos fantásticos que narram a História do NCO de primeira classe Heinrich Murra durante da II Guerra Mundial. Murra demonstrou ter extrema bravura frente ao combate, devido suas condecoração de bravura e ferimento. Isso fica mais do que demonstrado devido ao seu Clasp de Combate Corpo a Corpo, a condecoração mais elevada da infantaria, onde o combate se dava à distancia necessária para se ver o branco da cor dos olhos do inimigo. No entanto, seu ferimento prévio deve ter deixado sequelas que prejudicou seu andamento no decorrer da Guerra. Após 1943 não se tem mais documentos do soldado, o que devido a sua trajetória pode indicar que foi morto, preso ou ferido novamente, dado que sua unidade lutou até o final da Guerra, nunca se saberá o que ocorreu com Murra. Sua trajetória pode ser narrada pelos eventos presenciados pela 5ª Divisão Panzer, narrado abaixo. Murra participou de praticamente todos os front’s da Guerra, combatendo em Batalhas famosas, até a derrocada final, em que participou da Defesa do Reich no front oriental. Poucos saíram vivos de lá, talvez não tenha sido o caso de Murra, a maioria pereceu em combate ou no cativeiro russo, poucos voltaram anos depois do final da Guerra.

 

O 14º Regimento de Proteção de Panzers (Schützen Regiment 14) foi criado em 15 de novembro de 1938 em Oppeln, fazendo parte da 5ª Divisão Panzer. Em 14 de julho de 194, o Regimento foi convertido em Panzergrenadier Regiment 14, ou 14º Regimento de Infantaria Blindada, permanecendo como unidade da 5ª Divisão Panzer até o final a Guerra. Em março de 1939 a 5ª Divisão Panzer participou da ocupação da República Tcheca. Antes do início da Campanha polonesa, a divisão se reuniu na área oeste e noroeste de Ratibor. Em 1 de setembro cruzaram a fronteira com a Polonia, rompendo as fortificações de fronteira em Rybnik e Pless. De 3 a 9 de setembro, a Divisão lutou em Przemsza e em Nida, sendo que em seguida limparam a área ao norte do rio Vístula, perto de Sandomierz. Após uma escaramuça em Stry em 18 de setembro, encerrou-se a Campanha da Polonia, sendo que a Divisão teve que recuar devido à negociação com a Rússia e a demarcação de territórios sob controle desta. Em novembro a Divisão foi deslocada para a Frente Ocidental, para a região de Hamm – Unna. No começo de janeiro de 1940, foi novamente deslocada para a área de Gummersbach – Oak Hagen – Rosbach – Olpe e no início de março de 1940 para a área de Bad Münster Eifel – Gelsdorf – Buschhoven. A partir de 10 de maio de 1940, a Divisão passou a fazer parte do XV Army Corps (Grupo de Exércitos A) para a Campanha Ocidental. Eles romperam as fortificações ao sul da Bélgica e das Ardenas em 13 de maio de 1940, forçando a travessia no Meuse ao norte de Dinant. Em 18 de maio romperam as defesas francesas pelo sul da Bélgica, garantindo o flanco norte do 4º Exército. Entre 18 e 20 a Divisão lutou em Mormalwald e Quenoy, terminando com a captura de Maubeuge. Seguiram-se combates em Schelde, Sensee Scarpe , Arras e Loretto-Höhe und der Vimy-Höhe. Até o final de maio, houveram combates no canal La Bassée em em torno de Lille, terminando aqui a primeira fase da campanha ocidental. No início da segunda fase, a “Batalha da França”, a Divisão participou das batalhas de avanço no Somme, rompendo a Linha Weygand Forges les Eaux e em seguida em direção ao Sena. Após a captura de Rouen de 10 a 13 de junho, veio a batalha de aniquilação em St. Valery, seguida da pressão em Alençon e Bretanha. A Campanha terminou com a captura de Brest em 19 de junho. Após o Armistício, a Divisão manteve-se como força de ocupação entre Brest e a Bretanha até 5 de julho, quando retornou a seu ponto de origem. As perdas da Divisão durante a Campanha Ocidental totalizaram 366 mortos, 1.454 feridos, 18 desaparecidos, 226 doentes e 66 mortos por ferimentos posteriormente. Na virada de 1940/41, a Divisão seguiu para a Romenia, área de Constanza e em 1 de março de 1941, iniciou sua marcha para a Bulgária, chegando no dia 4 em Burgos. A partir do dia 6 de abril de 1941, a Divisão iniciou sua participação na Campanha dos Balcãs, rompendo as posições sérvias ao sul, seguindo pela Albania para a Grécia. De 15 a 18 de abril em Grevena e depois perseguindo o inimigo através da Tessália. Após a Batalha das Termópilas, a Divisão marchou no dia 27 de abril para Atenas. Até o final de abril, ocorreu a conquista do Peloponeso. Após o término da Campanha da Grécia, a Divisão permaneceu na reserva na Grécia. Partes da Divisão participaram da invasão da Ilha de Creta (I. Panzer Regiment 31 e o Batalhão de Infantaria Motorizada 55), com elementos transportados em barcos de pesca e que foram atacados por navios britânicos durante a travessia. Após a Batalha de Creta, a Divisão foi deslocada para a área a oeste de Berlim para recomposição. Em julho de 1941, inicou-se a conversão da Divisão para uso tropical, provavelmente para seguir para a Africa, mas em meados de setembro, isso foi cancelado. A partir de 11 de setembro, os primeiros elementos da Divisão foram deslocados para a região noroeste de Roslawl na Frente Oriental, como parte do 4º Grupo Panzer. A partir de outubro passou a fazer parte da Operação “Typhoon”, o ataque em direção a Moscou no Grupo do Centro. Ao longo da estrada Roslawl – Moscou, em Spas Demensk a divisão seguiu para o norte para fechar o cerco à Batalha do cerco a Wjasma. A partir de 14 de outubro, rompeu a posição defensiva, seguindo para Moscou ao sul de Volokolamsk, já no período de lama emergente, até meados de novembro. Até o dia 4 de dezembro, a Divisão continuou seu avanço em direção a Istra, até que foi atingida pela contra-ofensiva russa na frente de Moscou. Após pesada batalhas defensivas em Moscou, a Divisão teve que recuar, mantendo até o final de janeiro de 1942 a posição de inverno em Wjasma. Em 1942 a Divisão lutou no espaço de Gshatsk e Rzhev. Depois de intensos combates em Wjasma, a Divisão fez parte da força de combate na área de Rzhev e Sychevka em julho de 1942. O final de dezembro foi seguido pela guerra de trincheiras em Gshatsk e desde meados de fevereiro a batalhas defensivas nesta área. No dia 4, a Divisão foi transferida para Dyatkovo para retrofit. Após o início da operação “Citadel” na área de Kursk, a Divisão passou para o espaço de Kzyn em 3 de julho de 1943 como reserva do Exército. Após o início da contra-ofensiva russa em 12 de julho, a Divisão foi deslocada a marcha forçada para a zona norte de Orel para ser utilizada em batalhas defensivas em Lirow e sudeste de Jelnia. Isso foi seguido por pesadas batalhas defensivas na área de Orel-Bryanks e Dorogobusch. Após a perda de Bryansk, a Divisão teve de se contentar com Ssoch. Até o final de setembro de 1943, foi seguida de combates defensivos em Desna sobre o Dnieper. Em meados de outubro, a Divisão lutou no Dnieper e em Ssosh. No final do ano houveram batalhas defensivas na área de Gomel – Retschiza e Pripyat. Em janeiro de 1944, a Divisão tomou parte na batalha defensiva em Kalinkovich e em seguida em Pripyat. Em março de 1944 veio a batalha defensiva em Belarus e em meados de abril a batalha de Kovel. Aqui fortes unidades alemãs foram incluídas. Um ataque de alívio foi feito em 4 de abril de 1944 pelas 131ª Divisão de Infantaria, 4ª e 5ª Divisões Panzer e 5ª SS Panzer Division “Wiking” para se conectar às linhas alemãs. Em 2 dias todas as tropas e tanques tinham sido libertados do caldeirão imposto pelos russos. Posteriormente a Divisão continuou a lutar na área do Grupo de Exércitos do Centro e em meados de agosto, no norte da Lituania. Em outubro de 1944 a Divisão foi levada de volta a Memel e depois lutou no espaço entre Gumbinnen e Goldap. Em novembro de 1944, a Divisão serviu como reserva do 4º Exército, participando em janeiro de 1945 da Batalha de Defesa da Prussia Oriental. Em fevereiro de 1945, a Divisão lutou em Königsberg e na metade do mês em Sambia. Ao final da Guerra, a Divisão estava combatendo no Vístula.

Informação adicional

Peso 1000 kg
Dimensões 50 × 50 × 50 cm